Bebendo na fonte em Roma
Publicado por Itália Viagem   |   23 Novembro, 2016

Várias cidades italianas tem fontes abastecidas por aquedutos de água potável e é uma cena bastante comum ver pessoas a bebendo e abastecendo garrafinhas. Em Roma, por exemplo, existem cerca de 2.500 fontes de água potável distribuídas pela cidade, 200 delas no centro histórico. Estas fontes começaram a ser implantadas pela primeira Prefeitura de Roma, em 1874, logo após a unificação da Itália, para garantir a população o acesso à agua fresca, de qualidade e gratuita.

Qtpfsgui 1.9.1 tonemapping parameters: Operator: Fattal Parameters: Alpha: 0.323 Beta: 0.768 Color Saturation: 1.3 Noise Reduction: 0.03 ------ PreGamma: 1

Quase todas as fontes são iguais, cilíndricas, em ferro fundido e com um cano curvo, apelidado de “nasone” pelos romanos. Fornecem água muito fresca mesmo num calor de 40 graus! Uma das fontes mais antigas está na “Piazza della Rotonda”, em frente ao “Pantheon”.

Um segredinho romano, desconhecido pela maioria dos turistas, é a forma correta de beber água nestas fontes. Quase todos tentam acumular água nas mãos em concha ou beber diretamente daquela que jorra pelo cano, mas um observador atento verá que os nasoni têm um pequeno furinho na sua parte superior e quando se fecha o fluxo principal, a água sai por esse furinho, facilitando muito beber sem tomar um banho!

nasoni4

 (Foto gentilmente cedida do arquivo pessoal de Monica Amoroso)

Claro que em Roma existem também as fontes grandiosas, verdadeiras obras de arte e que na época de sua construção serviam para distribuir água potável à população ou para animais. Hoje em dia, muitas não são mais abastecidas por água potável e é preciso ficar atento às orientações. Por exemplo, na belíssima “Fontana di Trevi”, a água não é própria para o consumo.

trevi_angular

Por outro lado, você pode se abastecer sem susto na “Fontana della Barcaccia” na Piazza di Spagna.barcaccia3

Nossos roteiros incluem visitas guiadas pelas principais cidades visitadas. São profissionais autorizados, de grande conhecimento da história e cultura locais, além de serem fluentes em português e que dividem conosco histórias e segredos como esses!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *